1. Home
  2. Posts
  3. Planeta Foz

O antigo aeroporto, seu começo e suas histórias

O antigo aeroporto, seu começo e suas histórias

Em 1954, o cenário de Foz do Iguaçu era muito diferente do que é hoje. A cidade limitava-se a poucas ruas, como a Avenida Brasil, na época de chão batido, e a Avenida JK, terminando no Gresfi, o antigo Aeroporto do município.

E foi nesse cenário, em 17 de fevereiro daquele ano, que André Lichacovski, com 19 anos, chegou para servir a Força Aérea Brasileira.  O aeroporto já operava havia 13 anos, mas recebia poucos aviões.

“Passávamos a maior parte do tempo jogando futebol. Uma das primeiras coisas que o sargento      me perguntou era se eu jogava, para, então, treinar com o time dele, o Industrial Madeireira”, lembra.

Não tinha muito segredo: O aeroporto tinha como função prestar assistência ao Correio Aéreo Nacional. Um avião vinha às quartas-feiras, de Curitiba, e o outro, do Rio de Janeiro, às sextas-feiras que fazia o transporte de militares.

Quando não estavam auxiliando no abastecimento das aeronaves, principal função dos soldados, estavam vestindo a camisa do Industrial, ou jogando vôlei na quadra do destacamento da Marinha. “Era essa a rotina, além de passear pela cidade”.

Turistas em Foz eram poucos. Não havia aviões civis que faziam a rota direta para a cidade. Existia um vôo Curitiba-Assunção e, dele, desembarcavam alguns curiosos para ver as Cataratas, mas não chegava a ser 10 por semana.

Apesar do pequeno fluxo de turistas, Foz já recebia autoridades. Pouco depois de inaugurar o aeroporto, o presidente da República, Getúlio Vargas, passou pelas terras iguaçuenses, em 1944. Isso foi 10 anos antes de André chegar a cidade, mas ele também teve seus “encontros especiais”.

“Um dia, para nossa surpresa, desceu o brigadeiro Eduardo Gomes de um avião. Ficamos igual pedras”, conta o ex-soldado. O brigadeiro não foi a única autoridade que passou pelo aeroporto enquanto Lichacovski era soldado, tampouco foi essa a única história.

Estamos perdidos

Dentre as visitas ilustres que desembarcaram no atual Gresfi, estava o vice-presidente da República, Café Filho, sua comitiva, e o governador do Paraná, Bento Munhoz da Rocha Neto. “Não sei precisar a data, mas foi entre final de maio e começo de junho de 1954”, começa a história.

A delegação chegou a Foz do Iguaçu numa sexta-feira para visitar as Cataratas e no domingo, já tinham que voltar para Curitiba. Cerca de 40 minutos depois da decolagem (o vôo até a capital paranaense levava aproximadamente 2 horas), tiveram que voltar por causa de problemas no motor.

O mecânico-de-bordo, obrigatório em todos os aviões da época, não encontrou o problema. “Eles resolveram passar mais uma noite na cidade, já que não conseguiram identificar o que havia de errado”.

À noite, o clima mudou completamente. O domingo ensolarado amanheceu como uma segunda-feira de neblina fechada, impossibilitando, mais uma vez, que o vice-presidente, o governador e todos os outros, saíssem de Foz.


A saída foi enviar, do Rio de Janeiro, o avião da presidência no dia seguinte. Por se tratar de um vôo direto, a chegada estava prevista para 13 horas, mas nem sinal da aeronave. Instantes depois, um recado do comandante surge no rádio: “Não estamos encontrando Foz do Iguaçu”.

Como a gasolina estava acabando, a decisão foi a de voltar para Curitiba. Depois de uma hora, mais um aviso no rádio: “Estamos perdidos”. A sala de comunicações do aeroporto ficou apertada para acomodar os oficiais de Foz, o vice-presidente, o governador e a comitiva.

“Ninguém falava nada. Se caísse um alfinete na sala, escutaríamos”, lembra André. “O comandante chegou a pedir que, se acontecesse o pior, que queimassem tudo que estivesse no armário dele. Até hoje não sabemos por que”.

Ainda pelo rádio, a tripulação informou que estavam procurando um lugar para fazer um pouso forçado. “Encontramos uma estrada. Vamos aterrissar”. Em seguida, a continuação da saga: “Na aterrissagem, batemos num poste e perdemos parte de uma asa. Populares se aproximam do avião”.

Após acalmar os ouvintes e esclarecer que todos estavam bem, a localização, enfim: O avião pousara em Concórdia, divisa de Santa Catarina com o Rio Grande do Sul. No fim das contas, a comitiva levou mais de uma semana para ser levada, aos poucos, de volta à capital.

“Ficamos uns 15 dias bem animados, com história para contar”, encerra. Claro que o conto extrapolou as duas semanas para ser contado e é lembrado até hoje, principalmente a essa repórter, neta do relator, que fez questão de, enfim, registrar o ocorrido.

Portal H2FOZ - Letícia Lichacovski
www.twitter.com/leca_dpaula