1. Home
  2. Notícias

Protesto dos educadores suspende aulas

Protesto dos educadores suspende aulas
Educadores protestaram contra as reformas e as privatizações - Toto Marcos Labanca

Servidores denunciam medidas que afetam a qualidade da educação

Falta de funcionários, sobrecarga de trabalho, adoecimento e perdas de direitos estão entre as principais denúncias feitas pelos educadores durante o ato público realizado em frente ao NRE (Núcleo Regional de Educação) de Foz do Iguaçu, nesta quarta-feira (30). A mobilização paralisou cerca de 60% das instituições de ensino, conforme levantamento da APP-Sindicato/Foz, entidade responsável pela organização do protesto.

O movimento relembrou o dia 30 de agosto de 1988, quando servidores em greve acampados no Palácio Iguaçu, a sede do Governo do Paraná, foram reprimidos por forças policiais e sua cavalaria. Este ano, a atividade também rememorou o episódio de violência sofrida pela categoria em 29 de abril de 2015, durante protesto em Curitiba para impedir o desmonte da carreira e o confisco do fundo de aposentadoria dos funcionários públicos.

No protesto em Foz do Iguaçu, os educadores protocolaram no NRE um documento onde pedem que a chefia do órgão exija do Governo Estadual a contratação de agentes educacionais para suprir a demanda das escolas. Conforme a secretária de Formação da APP-Sindicato/Foz, Cátia Castro, algumas instituições não dispõem de nenhum funcionário em determinados turnos de aulas, devido à defasagem do quadro de pessoal.

A dirigente sindical afirmou que faltam servidores para atender áreas essenciais. “A carência de funcionários revela o descaso do governo com a educação e afeta serviços básicos, como até mesmo o preparo da merenda dos alunos”, frisou. “Com isso, os agentes educacionais cumprem exaustivas jornadas de trabalho e têm suas funções e horários remanejados constantemente”, completou.

Reflexos na qualidade do ensino
O secretário de Organização da APP-Sindicato/Foz, Silvio Borges, destacou que várias iniciativas do Governo do Estado estão afetando a qualidade do ensino. Como exemplo, ele citou a redução da hora-atividade, medida que elevou o volume de trabalho dos professores na escola e durante o tempo de repouso. “Isso gerou desemprego, prejudicou a preparação de aulas e está causando o aumento de doenças entre os educadores”, afirmou.

Segundo Silvio Borges, os educadores aproveitaram a mobilização em defesa da escola pública para dialogar com a população sobre os efeitos das reformas da Previdência, da lei trabalhista e do ensino médio, propostas defendidas pelo Governo Federal. “São mudanças que retiram direitos dos trabalhadores e enfraquecem os serviços púbicos. O povo mais uma vez está pagando por uma crise que não é sua”, enfatizou o representante sindical.

Direitos desrespeitados
A professora Maria Madalena Ames enfatizou que as recentes resoluções do Governo do Paraná levaram os professores a trabalhar mais sem ganhar por isso e ferem o direito ao afastamento para tratamento médico. “Levar atividades para casa devido à redução da hora-atividade significa trabalho não remunerado e o governo ainda está punindo os educadores que estão ficando doentes por essa sobrecarga. Temos o direito de adoecer”, disse.

O professor Ari Luis Jarczewski, de São Miguel do Iguaçu, fez um balanço positivo da adesão da categoria ao movimento nas cidades da região e destacou a importância da mobilização da impedir retrocessos maiores na carreira dos educadores e seus efeitos na escola pública. “São tempos difíceis, de muitos ataques dos governos. Por isso, devemos valorizar a participação de cada educador nesta paralisação”, ressaltou.