H2Foz > Notícias

19/05/2012 12h24

Governador aceita projeto de trincheira na BR 277 em Foz do Iguaçu

  • trincheira
  • modelo

O governador Beto Richa confirmou na sexta-feira (18), que o projeto sugerido pela prefeitura para construção da trincheira na Avenida Paraná, no trevo da BR 277, é a melhor solução para o trânsito no local. Ele aceitou a ideia feita pelo prefeito Paulo Mac Donald e apresentada desde 2010 ao Estado. A Ecocataratas, concessionária responsável pela rodovia, já encaminhou a proposta ao DER (Departamento de Estradas e Rodagem).

 
Segundo a concessionária, a expectativa é que no segundo semestre, ainda durante o período eleitoral, o processo esteja concluído, e a obra, finalmente, comece a sair do papel. A partir de agora, será elaborado o projeto executivo e será aberta a licitação para contratação da empreiteira responsável pela construção.
 
O projeto apresentado pelo prefeito tem custo reduzido – um viaduto custaria três vezes mais. O valor da trincheira é de R$ 1,2 milhão, podendo chegar até R$ 3 milhões, conforme a necessidade de escavação e a quantia utilizada de concreto, neste caso, bem menor do que o necessário para edificar um viaduto, avaliado em R$ 9 milhões. “Podem ficar tranquilos que o viaduto (trincheira) da BR 277 é uma realidade”, disse o governador, prometendo voltar até o final do ano para autorizar a obra.
 
Há quase dois anos, o Município, a Câmara de Vereadores, Itaipu Binacional e a população pedem pela obra. Neste período, Mac Donald e o diretor da Itaipu, Jorge Samek, se comprometeram a ajudar com recursos financeiros para resolver mais rapidamente possível o problema, mesmo a construção sendo de responsabilidade do Estado e da Ecocataratas.
 
“Até que enfim. Eu estive há 10 meses no governo, foi levado o projeto, havia dinheiro prometido pelo Samek (Itaipu) e até do Município para solucionar o problema. Me surpreende que em véspera de período eleitoral seja anunciada a obra, mas é claro que é bem-vinda a construção da trincheira”, resumiu o prefeito.
 
Mac Donald fez questão de lembrar que a trincheira já poderia estar pronta. Nos últimos meses, o DER vetou o projeto básico apresentado pela prefeitura e aceito pela Ecocataratas. A alegação é que o local não comportaria a circulação de caminhões. No entanto, com a construção da Segunda Ponte e a Perimetral Leste, o tráfego de veículos pesados não passará pela rodovia. “Isso não justifica. A obra demorou demais. Mas há a necessidade ainda de mais passagens de nível ao longo da rodovia, mais precisamente na Avenida Costa e Silva (Trevo do Charrua e entrada da cidade), no Jardim Jupira e também na entrada do bairro Três Bandeiras. Isso vai comportar o fluxo de toda a região”, explicou.
 
As obras serão capazes de comportar o fluxo de veículos, que tende a crescer nos próximos meses com a chegada de mais alunos da Unila (Universidade Federal da Integração Latino-Americana). A expectativa é de receber 10 mil estudantes até 2014.
 
Além disso, há dois novos e grandes empreendimentos imobiliários na região, aumentando a circulação de moradores, que utilizam os acessos para se deslocarem até as universidades, local de trabalho, comércio e hospital, inclusive de turistas que chegam com veículos próprios ou ônibus.
 
Para mais informações da Prefeitura de Foz do Iguaçu, acesse aqui.
 
(Agência Municipal de Notícias)

      Facebook
Comentários compartilhados no Facebook.
      Twitter
Compartilhamentos e retweets no Tweeter.
 
Comentários
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. O Portal H2FOZ não é responsável pelo seu conteúdo.

Post new Comentário

  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.

Mais informações sobre as opções de formatação

CAPTCHA
Esta questão serve para filtrar os envios automatizados de spam deste formulário.
Image CAPTCHA
Digite os caracteres que aparecem na imagem.

          comprasparaguai.com.br

+ NA REDE