H2Foz

Missões paraguaias

Trinidad, o maior conjunto de ruínas

O lugar é meio desolado. A 180 quilômetros de Foz do Iguaçu e a 32 quilômetros de Encarnación, a antiga Nuestra Señora de la Encarnación de Itapua geralmente é esquecida quando se fala nas ruínas das antigas missões jesuíticas. Mas vale a pena ser conhecida, pois pode ser considerado o conjunto de ruínas mais importante.

Trata-se de La Santíssima Trinidad, com uma área de edificações com 117 hectares, uma das últimas reduções a ser construída no atual Paraguai, com índios oriundos da redução de San Carlos, na Província do Tape, atual Rio Grande do Sul.

Ela foi fundada em 1706, cerca de 70 anos depois da mudança de seus índios para terras do atual Paraguai. Foi uma das últimas reduções a ser abandonada, depois da destruição comandada pelos ditadores Francia e Lopez, e a invasão dos colonos.

Os índios somente começaram a deixar a área no início do século XIX e, mesmo assim, não para muito longe. Em Colonio Pastoreo, a cerca de 70 quilômetros de Trinidad, ainda se encontram famílias de descendentes dos guaranis missioneiros.

Recuperação

Trinidad passou por um longo processo de recuperação, descobrindo-se uma área considerável e com grande dificuldade. A igreja, com 86 metros de largura e 45 de comprimento, por exemplo, estava praticamente toda coberta por terra. O mesmo acontecia com a chamada praça de armas, cercada de restos de casas de índios.

Na igreja, podem ser encontradas as tumbas dos antigos caciques da redução e o púlpito que era utilizado pelos jesuítas, todo trabalhado, e que foi encontrado fragmentado em cerca de 1.500 pedaços. No final do século passado, esses pedaços foram colados e, no momento, já pode ser admirado na igreja. É o único que pode ser visto nas missões, em seu estilo e muito rico em detalhes.

Outros destaques são o o panteão dos jesuítas e a antiga sacristia, com inúmeras peças encontradas nas escavações arqueológicas, além das ruínas de muitas construções: uma igreja menor, colégio, campanário, cemitério e muitas casas de índios.

A vista é muito bonita, especialmente na praça de armas, onde os índios faziam exercícios militares e tinham sua recreação. Ainda podem ser vistas ali as colunas trabalhadas que sustentavam as varandas, defronte a todas as casas, formando grandes corredores que serviam de proteção contra o sol e a chuva, permitindo uma comunicação com quase toda a área construída da redução, como era típico nesse tipo de arquitetura.

Existem em Trinidad 16 estátuas, algumas parcialmente destruídas e ao ar livre. Umas poucas estão num pequeno museu na entrada da redução, acreditando-se que uma grande quantidade pode estar enterrada nas imediações, assim como objetos da época confeccionados pelos índios.

Produção

Os guaranis de Trinidad especializaram-se na exploração da erva-mate e produção de gado, embora também produzissem milho e arroz, entre outros produtos. A redução realizava muitas exportações para a Espanha e Peru (além dos produtos agrícolas, tecidos, artigos de cerâmica e imagens em pedra e bronze).
Embora seja o maior e mais importante conjunto de ruínas das Missões jesuíticas, Trinidad não foi declarada patrimônio da humanidade pela Unesco, em 1983, como ocorreu em relação a São Miguel, no Brasil; e San Ignácio Mini, na Argentina.

A partir de Trinidad, que deve ser considerada uma visita obrigatória, o turista poderá conhecer ainda Jesus, a 12 quilômetros de distância. Essa é outra redução que mudou quatro vezes de local e é a única onde a igreja ficou inacabada, sem teto, quando os jesuítas foram expulsos.

O acesso a Jesus e Trinidad se dá a partir da Ruta 6, que liga Ciudad de Leste – na fronteira com Foz do Iguaçú, no Paraná – a Encarnación, construída sobre a antiga redução. Não há nenhuma informação sobre o que poderá existir embaixo da atual cidade, cogitando-se, para o futuro, realizar escavações na praça central para uma verificação.

O turista que quiser continuar visitando as ruínas das reduções que existiram em áreas do atual Paraguai, deve tomar a direção de Assunção.

A 59 quilômetros, à esquerda, há a entrada para San Cosme y San Damian (mudada várias vezes de local e transferida originalmente do Tape, no atual Rio Grande do Sul). Nessas ruínas poderá visitar o colégio (único com teto original) e a igreja que, a exemplo das demais, todas incendiadas, está somente com a fachada e paredes laterais em pé e foi restaurada há alguns anos. Havia nessa redução um centro astronômico, que era conhecido internacionalmente e dele resta unicamente um grande relógio de sol.

Voltando-se à Ruta 1, percorrem-se mais 54 quilômetros até San Patrício e mais de 22 quilômetros num desvio para Santiago, local de outra redução, onde somente existem uns restos de edificações e um museu.

Retornando-se novamente à ruta 1, com mais onze quilômetros, por essa rodovia, chega-se a Santa Rosa, onde pode se verificar os restos da igreja incendiada e mais um museu, com imagens e afrescos, únicos no gênero.

Pela mesma rodovia, 19 quilômetros depois, chega-se a San Ignácio Guazu, a primeira redução fundada pelos jesuítas, em 1609. A cidade praticamente destruiu o que havia de ruínas das reduções, mas, à beira da própria rodovia, pode ser visitado um museu – o melhor, nas reduções do Paraguai – com cerca de 60 imagens. Em Santa Maria, a 17 quilômetros a partir de San Ignácio, existem somente restos de edificações e mais um museu de menor importância.

San Ignácio Guazú (1609)

É o mais antigo dos povos fundados pelos jesuítas. Uma antiga casa hoje abriga um museu e exibe peças que integram uma das mais finas coleções da arte indígena do período jesuítico. Representa a primeira Missão Jesuítica do Paraguai. Distante 226 km a Asunción, 144 km de Encarnación, 66 km de Vila Florida, é a primeira Missão Jesuítica do Paraguai.

Santa Maria de Fé (1647)

Fundada pelo Padre Enmanuel Berthod, situada a 10 km de San Ignácio. Mesmo com sua destruição, um bom número de imagens puderam ser salvas e hoje podem ser admiradas na atual Igreja e no museu instalado em uma das casas de índios. Seus artesanatos se destacam na confecção de tapetes e fabricação de deliciosos doces.

Santa Rosa (1698)

Está localizada a 248 km de Asunción, 122 km de Encarnación e 23 de San Ignácio. Conta com um Museu (Capela “Nuestra Sra de Loreto”), forma o mais atraente campanário, que ainda hoje segue prestando serviços. Esta igreja era a mais ornamentada de todas as missões. A praça de Santa Rosa segue sendo um ponto vital na história do povo. Também se pode visitar o Balneário sobre o rio Sanguri, e a colina Itá Morotí.

Santiago (1669)

Anteriormente denominada San Ignácio de Caaguazú. Conta com um museu, réplica de San Ignácio. Está situada ao lado esquerdo da Ruta 1 (17 km de distância) e a 32 km de San Ignácio. Da antiga redução restou muito pouco, porém, pode-se ver as formações de algumas casas da época de seus povos antigos. Possui um museu finíssimo, testemunho das artes nas missões. As estátuas se sobressaem e estão presentes os temas jesuíticos.

San Cosme y Damián (1632)

Localizam-se a 39 km do desvio da Ruta 1 (Km 310), para a direita, a 341 km de Asunción e 66 km de Encarnación. Têm importantes construções que ainda hoje sobrevivem e que há alguns anos prestam serviços à comunidade. Essas reduções famosas por seus estudos e experimentos realizados principalmente no campo da astronomia.

Santíssima Trinidad del Paraná

Considerada Patrimônio da Humanidade, está situada a poucos metros da Ruta 6, na altura do km 28 e a 180 km de Foz do Iguaçu. A localização é estratégica e permite a visualização de todo o seu entorno. Conta com um museu, igreja com altar, casa de índios e praças. Também conta com o primeiro Monastério do Paraguai, numerosas estâncias e em suas terras se realizam a popular Festa da Tradição Missioneira que atrai visitantes de todo o país.

Jesús de Tavarangue (1685)

Situada a 12 km de Trinidad. Para chegar às ruínas é necessário utilizar o ramal da Ruta 6, na altura do Km 29. As ruínas encontram-se mais adiante de uma pequena comunidade rural assentada em meio a uma rica vegetação. O povo missionário de Jesus é chamado “Peregrino”, devido às migrações sofridas. É considerada Patrimônio da Humanidade. À margem do rio Monday, encontra-se uma enorme estrutura de pedra, de uns 60 metros de largura, restos de um templo com três naves que nunca chegou a fechar. As três portas de acesso ao templo são impressionantes!

© Portal H2FOZ - Todos os direitos reservados

      Facebook
Comentários compartilhados no Facebook.
      Twitter
Compartilhamentos e retweets no Tweeter.
 
Comentários
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. O Portal H2FOZ não é responsável pelo seu conteúdo.

Post new Comentário

  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.

Mais informações sobre as opções de formatação

CAPTCHA
Esta questão serve para filtrar os envios automatizados de spam deste formulário.
Image CAPTCHA
Digite os caracteres que aparecem na imagem.

          comprasparaguai.com.br

+ NA REDE